Diário de um Químico Digital 3.0

Química, TICs e outras treconologias. :)

Infográfico de Conteúdos de Química para o ENEM — 28/09/2012

Infográfico de Conteúdos de Química para o ENEM

Quimica_blogueiros

Uma dica do pessoal do Descomplica.
Anúncios
Nova droga no combate ao vírus HIV — 27/09/2012

Nova droga no combate ao vírus HIV

O post a seguir é uma livre tradução do artigo escrito por Erika Check Hayden, publicado em http://www.nature.com/news/drug-brings-hiv-out-of-hiding-1.10180.

A dica de postagem eu peguei com o pessoal do Canal Fala Química

————————————————————————
Um estudo tem acelerado as probabilidades de uma cura para o vírus HIV. Pela primeira vez, resultados mostram que uma droga pode dar o pontapé inicial na produção de uma forma dormente do vírus em pacientes, de tal forma que ele pode ser detectado e ataado mas facilmente pelo sistema imune.  

A descoberta foi anunciada na 19° Conferência Anual sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas em Seattle, Washingotn. Mas outros estudos apresentados no mesmo evento sugerem que meramente estimular o vírus a não mais se esconder não é o suficiente para matar células infectadas — e a cura ainda estaria um pouco distante.

O HIV integra-se no genoma das células, fazendo com que as células façam novas cópias do virus quando elas transcrevem seu próprio DNA. Mas em algumas células, o HIV sobrevive por décadas em repouso, ou em latência, estado sem transcrição gênica que produz novos vírus. Isto torna as células infectadas em um “reservatório latente” invisível às defesas imunes do corpo e ao tratamento antiretroviral.

Estudos sugerem que uma droga chamada suberoilanilida do ácido hidroxâmico (SAHA) poderia tirar o vírus de sua “soneca”, mas o método ainda não foi testado em seres humanos.

<Como eu sou bonzinho, pesquisei a fórmula estrutural e o nome IUPAC da molécula)>

Vorinostat

Nome sistemático IUPAC: N-hydroxy-N’-phenyl-octanediamide

Fórmula Química: C14H20N2O3 

Massa Molar: 264.32 g/mol

<Sou muito bonzinho, hehehehe.>

Assim os pesquisadores liderados por David Margolis, um virologista molecular na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, tratou seis pessoas com uma dose uúnica de SAHA e testou seu efeito em células CD4+ T (células imunes que são o principal alvo de infecção pelo HIV). O estudo mostrou que o SAHA realmente iniciou a ranscrição do HIV em células CD4+ T latentemente infectadas: os pesquisadores detectaram aproximadamente 5 vezes mais transcrições do HIV nas células CD4+ T em repouso desses pacientes após o tratamento com a droga. Não foram observados efeitos colaterais graves. 

“Esse estudo fornece a primeira demonstração de prova de conceito da disrupção da latência, o que é um passo significante em direção à erradicação” do HIV do corpo, diz Margolis. 

O SAHA parece forçar o HIV a fazer cópias de si mesmo, fazendo células potencialmente infectadas se tornarem mais visíveis ao sistema imune do corpo.

 

Encontrar e destruir

Mas margolis e outros pesquisadores estão cautelosos sobre o que o estudo significa na busca por uma cura para o HIV. Sharon Lewin, um médico especialista em doenças infecciosas da Universidade de Monash em Melbourne, australia, está também estudando o SAHA em pacientes; até agora, 10 ingeriram a droga por duas semanas sem experimentar efeitos colaterais sérios. Mas, ele diz, nenhum estudo demonstrou ainda que a ativação de HIVlatente leva à destruição das células infectadas. 

O estudo de Margolis, diz Lewin, “estudou um número pequeno de pacientes, e apesar de ser um importante passo para mostrar que a droga causou alguma alteração na produção viral, nós ainda não sabemos como isso se traduz em como se livrar de células infectadas latentes”.

Na conferência de Seattle, Liang Shan, um pesquisador da Johns Hopkins University em Baltimore, Maryland, apresentou os resultados de um estudo, publicado no periódico Immunity<a href="http://www.nature.com/news/drug-brings-hiv-out-of-hiding-1.10180#b1&quot; title="Shan, L. et al. Immunity advance online publication http://dx.doi.org/10.1016/j.immuni.2012.01.014 (2012).”>1, no qual as células CD4+ T foram coletadas de pacientes com HIV e tratadas com o SAHA in vitro, As células não morreram, mesmo quando combinadas com as próprias células “assassinas” T, que são especializadas em destruir células infectadas por vírus. Entretanto, quando as células assassinas T foram inicialmente expostas à fragmentos do HIV, elas conseguiram destruir as células infectadas.

Siliciano está também co-liderando um teste de disulfiram (Antabuse), o qual é usado para impedir alcoólicos de beber mas tem sido usado para quebrar a latência do HIV em células.

Entretanto, em um estudo com 14 pacientes, Siliciano e seu time descobriram que o disulfiram não levou nem a um aumento significativo na produção viral nem a uma depleção da reserva de células T latentemente infectadas. A produção do vírus pareceu aumentar ao menos temporariamente em alguns pacientes dentro de algumas horas após a ingestão do disulfiram, mas ainda não está claro se a droga pode realmente ter produzido um efeito tão rápido assim. O grupo examinará essa questão em seis participantes adicionais, diz Adam Spivak, um outro médico infectologista da Universidade de Utah em Salt Lake City, que apresentou os resultados na conferência.

 

Cura combinada?

Muitos pesquisadores do HIV acreditam que uma combinação de métodos será provavelmente requerida para erradicar o HIV do corpo.

“O que nós podemos precisar é um método de duas etapas no qual uma droga ativa a transcrição viral, e um segundo manda o sinal para o sistema imune sair à caça dessas células,” diz Spivak. 

Margolis concorda que passará algum tempo antes que os pesquisadores da área possam responder questões tais como quais combinações de drogas ativarão mais efetivamente o HIV latente, ou se essas drogas necessitarão ser usadas em conjunto com outras estratégiaspara destruir as células latentemente infectadas, e como as drogas poderiam ser administradas aos pacientes.

Uma variedade de estudos estão examinando métodos para ativação de células latentes e estão procurando por melhores drogas para fazer isso. Margolis requisitou ao US Food and Drug Administration (o famoso FDA) a permissão para administrar aos pacientes múltiplas doses de SAHA a fim de testar se isso poderia dar às células um “empurrão mais forte” para a saída da latência.  

“Existe muito interesse e excitação no campo, mas nós estamos muito no início do caminho,” diz ele.

O artigo original pode se encontrado através do código DOI: 10.1038/nature.2012.10180

 

Critérios e instrumentos para avaliação de Software Educativo — 26/09/2012

Critérios e instrumentos para avaliação de Software Educativo

Vou aproveitar para divulgar um material sobre avaliação de SE que produzi segundo literatura da área.

Como foi difícil para mim encontrar material na época que elaborei este material, gostaria de ajudar outros que possam estar passando pela mesma dificuldade.

Sondas da NASA captam a Terra “cantando”. Ouça aqui — 25/09/2012

Sondas da NASA captam a Terra “cantando”. Ouça aqui

A Terra sabe cantar. Ou quase isso. Os dois satélites Radiation Belt Storm Probe (RBSP) da NASA, lançados no dia 30 de agosto deste ano, conseguiram captar e gravar ondas de rádio audíveis emitidas pela magnetosfera da Terra. São silvos e assobios que formam o que os cientistas chamam de “coro” ou “coro do amanhecer” (o som é captado melhor pela manhã).

E o que causa isso? As ondas audíveis são emitidas por partículas energéticas de dentro da magnetosfera, o nome dado à região que envolve qualquer planeta ou lua que tenha um campo magnético, como a Terra. Essas partículas afetam – e são afetadas – pelos cintos de radiaçãoque cercam o planeta, e essa interação cria os barulhos únicos.

As sondas da agência espacial gravaram cinco ocorrências diferentes no dia 5 de setembro, mas no vídeo elas são apresentadas como uma só, sem cortes. Ficou curioso? Escute no vídeo abaixo o som:

Post kibado da Revista Superinteressante.

 

O poder de uma expansão irreversível — 24/09/2012

O poder de uma expansão irreversível

O Professor resolveu demonstrar conceitos como calor e trabalho de uma forma bem prática.

O que ele fez?

Pegou um frasco de nitrogênio líquido, colocou em uma garrafa PET e fechou bem a tampa. (maluco, só pode ser)

Largou a garrafa em uma cesta de lixo e tocou 1500 bolinhas de ping-pong (não, eu não escrevo pingue-pongue, isso é coisa de hipster)

O nitrogênio líquido não aguenta muito tempo como líquido na temperatura ambiente. Ele absorve calor da vizinhança e se transforma rapidamente em gás.

Todo gás ocupa muito espaço, geralmente a variação de volume do estado líquido para o gasoso é muito grande.

Agora, imagine esse gás tentando se expandir dentro de uma inocente garrafa plástica!

Imaginou? Pois é, ela não vai ter espaço.

Como se trata de uma garrafa plástica, ela vai se deformar sob ação do gás em expansão.

Até que a coitada explode e permite ao gás se expandir livremente.

A grande sacada do professor do vídeo foi colocar as1500 bolinhas de ping-pong no caminho do gás em expansão.

Resultado? Um show que os alunos dele jamais vão esquecer!

 

O que fazer depois de se formar? —

O que fazer depois de se formar?

Nessa minha já não tão curta vida de professor, uma constante é a questão “emprego”.

Lá estou eu dando aula de qualquer coisa e sempre tem algum aluno que me pergunta o que ele pode fazer depois que se formar. Ora, nós Químicos temos muitas opções profissionais após a formatura.

Um Químico pode se tornar professor do ensino básico, caso curse uma licenciatura. Quanto a essa opção, existem várias escolas de ensino privado espalhadas pelo país, geralmente com salários bem atrativos. Dada a escassez de professores de ciências exatas em nosso país, essa é uma opção profissional cada vez mais atrativa (e lucrativa).

10753703-asian-teacher-writing-scientific-formula-on-the-whiteboard

 

“Ah, mas eu estou interessado em trabalhar em uma área técnica”! É uma frase que costumo ouvir bastante dos meus alunos.

OK, independente do fato de você cursar uma licenciatura em química, um bacharelado, uma química tecnológica ou até uma das muitas engenharias relacionadas à química, sempre existe a opção de trabalhar na área de análises químicas /ou controle de qualidade.

5487586-high-school-student-in-chemistry-class

 

E olha que estou falando de análises químicas de forma genérica, pois cada tipo de indústria necessita de analistas para suas necessidades específicas. Dado o tamanho do parque industrial instalado em nosso país, posso dizer que existem muitas opções de empregos no Brasil na área de Química.

Claro que um profissional de nível superior como os que eu citei acima não são os únicos que podem concorrer a esse tipo de vaga, temos que considerar os técnicos em química de nível médio e os tecnólogos de nível superior, todos aptos a ocupar tais vagas. A diferença entre os técnicos e os demais, é que geralmente os de nível superior assumem postos de chefia (com suas respectivas compensações financeiras).

Existem outras opções? Claaaaaaro! Após se formar, você pode optar por prestar exames de seleção para os diversos programas de mestrado e/ou doutorado que existem no nosso país. O tipo de profissional egresso desses programas varia, mas em geral os mestres e doutores formados dessa maneira estão habilitados a concorrer às inúmeras vagas de trabalho tanto do mercado acadêmico público quanto do privado. Aliás, o que eu falei antes para professores do ensino básico se aplica também a professores do ensino superior, geralmente as compensações financeiras são maiores no setor privado.

Dado que nossa profissão é regulamentada, basta fazer inscrição no Conselho Regional de Química da região onde você vai exercer sua profissão, levar seu histórico escolar e seu diploma para obter o registro e receber uma carteira de identidade profissional. Professores do ensino básico ou do ensino superior federal não necessitam se afiliar nos CRQ’s porque os conselhos estaduais/federais de educação validam os diplomas para o exercício da docência.

Bom, não pretendo esgotar o assunto, até porque ele dá muito pano pra manga. O importante é estar sempre de olho nas oportunidades de estágio, pois muitas delas acabam encaminhando o estudante para um futuro emprego na mesma empresa onde ocorre o estágio. E, o mais importante, o negócio é ficar de olho em tudo que é site, jornal, pombo-correio, sinal de fumaça que liste oportunidades de emprego. Os mais atentos costumam ser recompensados. 🙂

Voltaremos a qualquer momento com mais dicas. Abraços digitais!

Nova versão do Google Drive and Docs for Teachers — 20/09/2012
NetLogo – Simulações para o ensino de ciências — 18/09/2012

NetLogo – Simulações para o ensino de ciências

aula 9.doc
Olá pessoal, ando meio sumido aqui do blog mas não esqueci dos meus fiéis leitores (eu acredito que devam existir alguns, hehehehe).
Ando mexendo com novos softwares para ensino de ciências e hoje gostaria de compartilhar com vocês algumas das minhas experiências.
Vocês já ouviram falar de “linguagens de programação educacionais”?
Não? Pois é, a linguagem de programação clássica dessa categoria de TIC é a LOGO.
Criada em 1967 pelo matemático Seymour Papert em co-autoria com  Wally Feurzeig.
Por ter trabalhado com Jean Piaget, a proposta da linguagem Logo é essencialmente construtivista.
Através de comandos simples, o usuário ordena a uma simpática tartaruga que se mova pela tela.
Por se tratar de uma linguagem interpretada, a tartaruguinha executa os comandos do usuário logo após ele ter terminado de digitar o mesmo.
O LOGO foi usado com bastante sucesso na investigação dos mecanismos mentais envolvidos na aprendizagem de crianças, mas também teve seu uso com jovens e até mesmo adultos.
O LOGO foi muito usado também no Brasil, sempre com o intuito de ensinar/investigar processos de aprendizagem.
Essa linguagem foi tão bem sucedida que teve diversos “filhos”.
É sobre uma das linguagens derivadas do LOGO original que eu vou falar nesse post.
Trata-se do NetLogoO NetLogo é um ambiente de modelagem programável multi-agente criado por Uri Wilensky
Ele tem sido usado por milhares de alunos, professores e pesquisadores ao redor do mundo e pode ser baixado gratuitamente a partir do site http:ccl.northwestern.edu/netlogo
Obviamente que o que mais me agrada no NetLogo é o aspecto de linguagem de programação. Mas não é esse o aspecto da linguagem que eu vou exaltar na postagem.
O NetLogo possui uma extensa biblioteca de modelos prontos, os quais vão desde áreas como a Biologia, passando por Química e Física, mas com bons modelos para ensino de Artes, Ciências da Computação, Economia, Geociências, etc.
Se você quiser, não precisa nem se aventurar a aprender a programar (embora seja isso o que mais me atraiu ao NetLogo), basta abrir a biblioteca de modelos e sair usando os modelos que ele oferece para fazer simulações com objetivo didático.
Assim sendo, vou compartilhar com vocês uma proposta de aula que fiz aos meus alunos:
Usar um modelo de disseminação do vírus HIV da biblioteca do NetLogo e usar os resultados para promover uma discussão sobre os impactos dos hábitos sexuais na propagação da síndrome da imunodeficiência adquirida.
No documento que vou anexar a seguir estão mais detalhes sobre o modelo. Não levem tanto a sério os resultados obtidos, pois o modelo (como todo modelo) é uma simplificação da realidade. Ele não leva em conta a transmissão do HIV por contato com agulhas contaminadas, por transmissão de mãe para filho durante o parto, por transfusão de sangue, etc. Ele considera apenas a transmissão por contato sexual.
É possível alterar o número médio de parceiros que um indivíduo pode ter, os hábitos de uso de preservativo, a probabilidade dos indivíduos realizarem testes para detectar a presença do vírus, o tempo em que as pessoas se mantém em um relacionamento, etc.
Acredito que a proposta foi bem aproveitada pelos meus alunos, pois eu os vi discutindo bastante durante a aula e eles compartilharam argumentos bem interessantes comigo.
Logo volto com novas propostas de softwares. Obrigado a todos!
46 anos de Star Trek – Google lança Doodle comemorativo — 08/09/2012

46 anos de Star Trek – Google lança Doodle comemorativo

Que eu sou um fã incondicional de Star Trek não é novidade, até já escrevi sobre isso em um post sobre o dia internacional do orgulho nerd. hehehe

 

Mas o Google fez algo que eu considero muito legal, lançou um Doodle interativo alusivo à data.

Aqui embaixo está a carinha do Doodle, mas eu aconselho você a visitar o Google hoje e sair clicando no Doodle para ouvir o som da estação de comunicações da Ten Uhura, ou então clicar na porta do deck para ouvir o famoso som de alarme da Enterprise.

Doodle

Vale a pena a visita.

Caso queira ver outros doodles, acesse: http://www.google.com/doodles

Festival do Minuto – Crie seu vídeo com o tema “Ciência” e concorra a um laptop — 05/09/2012

Festival do Minuto – Crie seu vídeo com o tema “Ciência” e concorra a um laptop

Ciência é novo tema de concurso do Festival do Minuto 

 Participantes concorrem a seis laptops como prêmios

 O concurso tem apoio da FAPESP e as inscrições vão até o dia 27 de outubro

Acesse o site do concurso: 

http://www.festivaldominuto.com.br/contests/258?locale=pt-BR

 

Ciência. É só pensar no termo que já vem à cabeça um laboratório, um rato para experiências e um cientista maluco de avental branco? Pois ciência é muito mais do que essa visão estereotipada, já que nos deparamos com ela nas mínimas coisas do dia a dia – da lâmpada elétrica ao telefone celular, do banho quente aos tratamentos de saúde, da conservação ambiental ao uso da internet. Por isso, o termo pode trazer inúmeras ideias para criar belos vídeos de um minuto. É no que aposta o novo concurso do Festival do Minuto. 

Mas, afinal, o que é ciência? Mesmo que sua definição seja bastante abrangente, podemos dizer que ciência é o resultado do esforço humano para aumentar o que se sabe sobre determinado assunto com base em um método científico, ou seja, na observação, no questionamento e no raciocínio lógico. É desse conhecimento que resultam boa parte das descobertas e das invenções. Em resumo, ciência também é resultado da nossa criatividade.

Por isso, para participar do festival, nada melhor do que deixar a imaginação fluir sobre qualquer ciência, seja ela exata, humana ou sobre a vida. Ciência da computação, engenharia, física, matemática, química, zootecnia, botânica, biologia, antropologia… E, como sempre, valem vídeos de 60 segundos em qualquer formato: filmes de animação, vídeos feitos com câmeras digitais, celular, ipad etc. O que vale, mais uma vez, é a criatividade. O concurso segue aberto a pessoas de todas as idades, com inscrições até o dia 27 de outubro.

 

FAPESP: 50 anos de apoio à pesquisa

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) é uma das mais importantes agências brasileiras de apoio à pesquisa científica. Criada em 1962, a FAPESP, ao longo dos seus 50 anos, concedeu cerca de 105 mil bolsas de pesquisa – da graduação ao pós-doutorado – e apoio a mais de 92 mil auxílios para pesquisadores do Estado de São Paulo. O apoio é dado a pesquisas em todas as áreas das ciências, bem como tecnologia, engenharia, artes e humanidades. A FAPESP também apoia pesquisas em áreas consideradas estratégicas para o País, por meio de programas em grandes temas, como biodiversidade, mudanças climáticas e bioenergia.

Para saber mais, acesse www.fapesp.br.

 

Sobre o Festival do Minuto

O Festival do Minuto foi criado no Brasil, em 1991, e propõe a produção de vídeos com até um minuto de duração. É, hoje, o maior festival de vídeos da América Latina e também o mais democrático, já que aceita contribuições de amadores e profissionais, indistintamente. A partir do evento brasileiro, o Festival do Minuto se espalhou para mais de 50 países, cada um com dinâmica e formato próprios. O acervo do Minuto inclui vídeos de inúmeros realizadores que hoje são conhecidos pela produção de longas-metragens, como os diretores Fernando Meirelles (Cidade de Deus, O Jardineiro Fiel), Beto Brant (O Invasor, Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios) e Tata Amaral (Um Céu de Estrelas, Antônia).

Para saber mais, acesse www.festivaldominuto.com.br.

%d blogueiros gostam disto: