Diário de um Químico Digital 3.0

Química, TICs e outras treconologias. :)

Dica de site – Android4Schools — 30/05/2012
Aprenda a física de circuitos elétricos brincando com o Electric Box 2 —

Aprenda a física de circuitos elétricos brincando com o Electric Box 2

E não é mentira, este fantástico joguinho em flash permite ensinar conceitos básicos de eletricidade de uma forma bem descontraída.

O jogo pode ser acessado via http://www.candystand.com/play/electric-box-2

Ele conta conta com diversos elementos como dínamos, ventiladores, quedas d’água, lâmpadas, sensores e geradores de energia fotoelétricos, transmissores/receptores de energia wireless e muitos outros elementos.

Eles vão sendo apresentados aos poucos, pra não assustar o jogador.

O objetivo é conectar diversos segmentos de circuito elétrico, fisicamente distantes entre si, usando os elementos fornecidos em cada fase.

Só é possível avançar para a próxima etapa quando todos os elementos forem posicionados adequadamente e a corrente elétrica possa fluir por todo o sistema.

Ligando os diferentes elementos corretamente, um motorzinho é acionado e o jogador avança para a próxima fase.

É mais fácil explicar exibindo um video. No vídeo, eu joguei a fase 8. Deixei todos os elementos do puzzle já posicionados, bastando ligar a fonte de energia e aguardar todo o sistema se conectar.

 


 

10 recursos para melhorar o uso de smartphones em sala de aula —
Apps android para o professor antenado —
Adolescente indiano resolve enigma deixado por Isaac Newton há 300 anos —

Adolescente indiano resolve enigma deixado por Isaac Newton há 300 anos

Isaac Newton

Isaac Newton ficou pra trás. Não, não estamos contestando a genialidade do cientista. É que um menino indiano de 16 anos  acaba de resolver um problema matemático que Newton deixou ao morrer, mais de 300 anos atrás. Shouryya Ray, que mora com a família na Alemanha desde os 12 anos, descobriu a solução de um enigma relacionado ao movimento de projéteis no ar que antes só havia sido calculado por computadores.

A façanha do jovem foi calcular com precisão o caminho de um projétil sob a ação da gravidade e sujeito à resistência do ar – problema elaborado no século 17 por Newton. Até hoje, matemáticos só foram capazes de solucioná-lo parcialmente. E não para por aí: o garoto resolveu um segundo problema. Este lidava com a colisão de um corpo em uma parede e foi proposto durante o século 19.

Leia também:
Jovem de 17 anos descobre tratamento que pode ajudar na cura do câncer

“Quando explicaram pra gente que não havia solução, eu pensei comigo mesmo: ‘bem, não há problema em tentar‘”, disse Shouryya. Ok, mas para quê? Shouryya mostrou que é capaz de calcular a trajetória do vôo de uma bola de tênis e prever como ela vai bater em uma parede. De acordo com os cientistas, a resolução do problema pode contribuir bastante para os estudos de balística, a parte da física que estuda o movimento dos projéteis, especialmente das armas de fogo.

A solução do problema não foi divulgada.

Via Dvce

Engenheiro cria portal com aulas de Harvard e Yale em português —

Engenheiro cria portal com aulas de Harvard e Yale em português

Editora Globo 

Há 10 anos, existe lá fora um movi­mento batizado de O­penCourseWare (cursos de código aberto), em que universidades de renome como MIT, Harvard e Stanford disponibilizam na internet suas principais aulas. Porém, claro, eram em inglês — língua fluente para apenas 2% dos brasileiros. 

Pois desde o final de fevereiro, está no ar o Veduca.com.br, portal com mais de 4.700 vídeos e 212 aulas internacionais legendadas em português. Os temas vão de medicina clássica e matemática a discussões sobre a crise econômica internacional e palestras de famosos como Steve Jobs. No primeiro mês, os vídeos foram vistos mais de 73 milhões de vezes. O próximo passo será filmar as aulas de universidades brasileiras. Confira a seguir um papo com Carlos Souza, o engenheiro dono da ideia. 

* Como surgiu o Veduca? 
Souza: Existe uma grande demanda por edu­cação online no país. O Brasil tem a quinta maior popula­ção de universitários do mundo, 6,1 milhões. Dos 80 milhões de internautas brasi­leiros, 66% já uti­lizam a web com fins educa­tivos. Então, resolvi largar minha carreira em uma multinacional e investir nisso. A ideia é simples: oferecer videoaulas das melhores univer­sidades do mundo em português e grátis. Já nos próximos meses, também vamos começar a filmar e colocar no site videoaulas de universi­dades brasi­leiras. As parcerias estão sendo fechadas. 

* A internet está repleta de cursos escolares, mas poucos universitários. O portal preen­che essa lacuna? 
Souza: Sim, a internet está cheia de cursos online escolares, mas não há garantia de qua­lidade. O Veduca será o primeiro site a oferecer videoaulas grátis das me­lhores universidades do Brasil e do mun­do. Nosso propósito é demo­cratizar a educação de alta qualidade. Os avanços tecnológicos, em especial a inter­net, estão revolucionando a educação. Em tese, qualquer pessoa conectada hoje pode assistir a cursos universitários de primeira linha. Porém, o Brasil ainda engatinha nisso por dois motivos: a maioria da população não fala inglês e as grandes universidades brasilei­ras ain­da não começaram a seguir o que MIT, Harvard, Stan­ford e companhia estão fazendo: filmando suas aulas para torná-las acessíveis a qualquer um. 

* Quem irá se beneficiar com as aulas? 
Souza: Pensamos em 3 grupos: universi­tários, profissionais formados e professores. Mas, além deles, qualquer pessoa com acesso à internet pode aprender algo novo com as aulas, de onde estiver, na hora que quiser e no seu ritmo. A importância da educação informal só deve aumentar. Não é difícil imaginar alu­nos de universidades tendo aulas teóricas em casa, na frente do computador, indo à faculdade apenas para debates. Isso trará um bom ganho de tempo. 

* O site pretende usar ferramentas colaborativas? 
Souza: Sim. Lançamos no site a “le­gendagem colaborativa”. Qualquer internauta com conheci­mento de inglês (e, de preferência, alguma bagagem no assunto tratado) poderá ajudar a demo­cratizar a educação traduzindo e legendando aulas de instituições estrangeiras. 

Está a fim de criar seu próprio app Android? —

Está a fim de criar seu próprio app Android?

Então chegou a sua hora.

Com o fantástico Tabajara MIT App Inventor você pode!

Mit_app_inventor

Brincadeiras a parte, o pessoal do MIT desenvolveu uma ferramenta que permite a qualquer pessoa criar um app Android.

 

O site http://www.appinventor.mit.edu/ apresenta uma série de tutoriais e ferramentas para educadores e/ou aficcionados no sistema do robozinho criarem seus próprios aplicativos sem necessitar de conhecimentos avançados de programação.

Além disso, o kit de criação de apps conta com um emulador de Android que dispensa a pessoa de possuir um dispositivo, ela pode testar o app recém-criado no emulador.

Não há necessidade de instalar nada, é só conectar ao site com sua conta do gmail e começar a arrastar e soltar dentro de uma janela que simula a tela do seu dispositivo Android.

 

Instruções passo-a-passo estão disponíveis para marinheiros de primeira viagem, então não tem muito como o que se preocupar (além de ter que saber aquele inglês básico, né?).

Está aí algo que eu quero realmente testar. Fica a dica!

 

 

Tutorial – postando por e-mail —

Tutorial – postando por e-mail

Seguindo minha série de postagens sobre o posterous.

Na sequência, está um livrinho eletrônico que preparei para ensinar aos meus alunos os procedimentos para postegem por e-mail.

Obviamente que o tutorial não é lá essa perfeição toda, mas ajuda bastante. Se você se interessar em usá-lo e encontrar alguma falha, faça o favor de me comunicar para que eu possa corrigir.

Aproveite para visitar o meu blog de sala de aula novo, o Cientista Digital, ele está sendo construído colaborativamente por mim e por meus alunos da UFFS.

Como Postar via E-mail No Posterous v 3.0

Transformando uma sala de aula em lab de ciências —
Spectral Game – Teste seus conhecimentos sobre espectroscopia — 29/05/2012

Spectral Game – Teste seus conhecimentos sobre espectroscopia

Está com seus conhecimentos sobre espectroscopia de compostos orgânicos afiados?

Opa, não está? 

Então, que tal dar uma treinada usando o nosso simpático site www.SpectralGame.com?

Spectral_game

O jogo é simples, você informa seu nome, seu e-mail e o nome do grupo (caso você esteja jogando em equipe).

Daí, você escolhe o visualizador dos espectros (ChemDoodle ou JSpecView). Isso vai depender do seu computador, se ele for capaz de interpretar HTML5 ou se ele possui uma máquina virtual Java.

É possível selecionar entre espectros dos seguintes tipos:

  • 1H-NMR
  • 13C-NMR
  • EI
  • IR
  • NIR (acho que é infravermelho próximo)
  • UV-Visível

 O jogo consiste em oferecer um espectro de baixíssima qualidade e duas moléculas possíveis.

O jogador só tem que clicar na que ele julga ser a molécula que representa o espectro.

Caso acerte, um novo espectro e duas moléculas possíveis são apresentadas.

O jogo prossegue até que o usuário cometa um erro. Nesse caso, o score final é gerado e exibido.

Além de favorecer o aprendizado de forma lúdica, os usuários ajudam a melhorar a qualidade dos espectros do ChemSpider.

Fica a dica!

%d blogueiros gostam disto: