Diário de um Químico Digital 3.0

Química, TICs e outras treconologias. :)

Ficção científica, tecnologia e sociedade — 03/02/2017

Ficção científica, tecnologia e sociedade

E aí,  galera do bem. Tudo legal?
Estou aqui hoje para divulgar uma componente curricular nova, inovadora, futurista e tecnológica que os colegas Rafael Kimura, Rodrigo Faveri e eu (UNIPAMPA Bagé) ministraremos no primeiro semestre de 2017.

Sem maiores enrolações, vou colocar o folder de divulgação aqui para quem tiver interesse. 

BAIXAR FOLDER

Contamos com a matrícula de todos os aficionados em Sci-Fi. 

Enquanto as aulas não chegam, que tal rever minha palestra sobre o assunto clicando AQUI?

Em video também.  

Ah, se quiser ouvir no carro é só baixar clicando aqui

Anúncios
Veja a combustão de um fósforo em câmera lenta (de novo) — 16/11/2014

Veja a combustão de um fósforo em câmera lenta (de novo)

9529-burning-match

Eu ando fissurado por vídeos em câmera lenta. Ponto.

Vocês vão ter que “aguentar” assistir mais um vídeo sobre essa temática.

Brincadeiras à parte, em um vídeo a 4000 quadros por segundo o processo de combustão da cabeça de um palito de fósforo é algo dramático e ao mesmo tempo muito bonito de assistir.

Vejam o vídeo e, após, os tradicionais comentários do Dr. Chatoff:

Se você quiser saber os aspectos químicos da combustão do palito de fósforo, continue lendo.

Continue lendo

Desenho de moléculas com o Chemsketch e técnicas de pesquisa em bases de dados online — 13/08/2014

Desenho de moléculas com o Chemsketch e técnicas de pesquisa em bases de dados online

Mais uma vez, apresento um material inédito aos leitores do blog.

Como desenhar moléculas com o ChemSketch e como usar as estruturas geradas por ele para encontrar informações físico-químicas, bioquímicas e biológicas em bases de dados online.

De quebra, ainda introduzo o software Avogadro para o desenho e visualização tridimensional de moléculas.

 

Veja posts anteriores sobre o assunto aqui e aqui.

E mais duas dicas de ferramentas online de desenho molecular aqui e aqui.

O mistério do mel colorido — 18/05/2014

O mistério do mel colorido

Criadores de abelhas do noroeste da França (Ribeauville, na região da Alsácia) descobriram que suas colmeias estavam produzindo mel em misteriosos tons de azul e verde.

Colored honey hi

 

Intrigados com esse misterioso acontecimento, os produtores resolveram investigar o que estava acontecendo.

A pouco mais de 4 km das colmeias existe uma planta de biogás da indústria Mars, responsável pela produção dos simpáticos confeitos M&M (docinhos com uma casca colorida nas cores vermelho, azul, verde, amarelo e marrom).

Eles descobriram que a planta de biogás era alimentada com resíduos da produção dos M&M.

As abelhas, que não são bobas, estavam se alimentando diretamente das cascas coloridas dos confeitos que elas conseguiam encontrar.

O mel produzido, entretanto, não tem valor comercial e nem é considerado pelos produtores como mel verdadeiro.

COLORED HONEY

A indústria de confeitos e chocolates Mars opera uma indústria a 62 km dos apiários afetados, próximo à cidade de Estrassburgo.

Contactados pelas autoridades francesas, os operadores a usina de biogás da Mars tomaram as devidas precauções e passaram a armazenar os resíduos de M&M em locais fechados, de forma que as abelhas não mais tenham acesso.

purpleMM

O aspecto ambiental dessa notícia é que o número de abelhas vem decrescendo rapidamente no mundo todo nos últimos anos. O governo francês tem sistematicamente banido o uso de pesticidas (como o Cruiser OSR) que está ligado às altas taxas de mortalidade de abelhas.

A França, por sua vez, é um dos maiores produtores de mel da União Europeia, produzindo 18.330 toneladas anuais de mel.

A cidade de Ribeauville está situada em uma região produtora de vinhos, no meio da qual estão localizados 2.400 apiários que totalizam algo em torno de 35.000 colônias de abelhas e produzem algo como 1000 toneladas anuais de mel.

Mesmo possuindo o sabor do mel, a presença dos corantes alimentícios torna o produto invendável em qualquer parte do mundo e, portanto, afeta a economia local de forma negativa.

honey hive

 

Para mais postagens legais como essa, curta nossa página no facebook: http://fb.com/digimarcio

FONTE1, FONTE2

Molécula do dia – Isotiocianato de Alila — 06/02/2014
Como fabricar bolas de gude — 09/04/2013
94 Elementos – Parte II – Gadolínio — 15/01/2013

94 Elementos – Parte II – Gadolínio

Há um bom tempo atrás eu publiquei um vídeo interessantíssimo sobre o lançamento de um projeto chamado 94 elementos.

Você pode conferir o post original aqui.

Para recapitular a história, existem 94 elementos químicos que ocorrem naturalmente em nosso planeta.

A ideia dos produtores é fazer um vídeo de altíssima qualidade sobre cada um desses elementos e de seu impacto em nossas vidas.

O vídeo que eu escolhi para mostrar hoje é sobre o Gadolínio, esse desconhecido.

O Gadolínio é um elemento geralmente injetado em pessoas que vão passar por uma sessão de ressonância magnética nuclear, pois ele ajuda a criar um constraste melhor nas imagens.

Ele permite diferenciar entre tecidos sadios e tecidos doentes. Graças a isso os médicos podem diagnosticar doenças. Legal saber que um elementos químico tão desconhecido do povão pode ajudar a salvar vidas, não é?

Droga sintética pode ser a primeira cura efetiva para a AIDS/SIDA — 01/09/2012

Droga sintética pode ser a primeira cura efetiva para a AIDS/SIDA

O post a seguir é uma livre tradução do artigo escrito por Erika Check Hayden, publicado em http://www.nature.com/news/drug-brings-hiv-out-of-hiding-1.10180.

A dica de postagem eu peguei com o pessoal do Canal Fala Química

————————————————————————
Um estudo tem acelerado as probabilidades de uma cura para o vírus HIV. Pela primeira vez, resultados mostram que uma droga pode dar o pontapé inicial na produção de uma forma dormente do vírus em pacientes, de tal forma que ele pode ser detectado e ataado mas facilmente pelo sistema imune.  

A descoberta foi anunciada na 19° Conferência Anual sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas em Seattle, Washingotn. Mas outros estudos apresentados no mesmo evento sugerem que meramente estimular o vírus a não mais se esconder não é o suficiente para matar células infectadas — e a cura ainda estaria um pouco distante.

O HIV integra-se no genoma das células, fazendo com que as células façam novas cópias do virus quando elas transcrevem seu próprio DNA. Mas em algumas células, o HIV sobrevive por décadas em repouso, ou em latência, estado sem transcrição gênica que produz novos vírus. Isto torna as células infectadas em um “reservatório latente” invisível às defesas imunes do corpo e ao tratamento antiretroviral.

Estudos sugerem que uma droga chamada suberoilanilida do ácido hidroxâmico (SAHA) poderia tirar o vírus de sua “soneca”, mas o método ainda não foi testado em seres humanos.

<Como eu sou bonzinho, pesquisei a fórmula estrutural e o nome IUPAC da molécula)>

 

Imgsrv

Nome sistemático IUPAC: N-hydroxy-N’-phenyl-octanediamide

Fórmula Química: C14H20N2O3 

Massa Molar: 264.32 g/mol

<Sou muito bonzinho, hehehehe.>

Assim os pesquisadores liderados por David Margolis, um virologista molecular na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, tratou seis pessoas com uma dose uúnica de SAHA e testou seu efeito em células CD4+ T (células imunes que são o principal alvo de infecção pelo HIV). O estudo mostrou que o SAHA realmente iniciou a ranscrição do HIV em células CD4+ T latentemente infectadas: os pesquisadores detectaram aproximadamente 5 vezes mais transcrições do HIV nas células CD4+ T em repouso desses pacientes após o tratamento com a droga. Não foram observados efeitos colaterais graves. 

“Esse estudo fornece a primeira demonstração de prova de conceito da disrupção da latência, o que é um passo significante em direção à erradicação” do HIV do corpo, diz Margolis. 

O SAHA parece forçar o HIV a fazer cópias de si mesmo, fazendo células potencialmente infectadas se tornarem mais visíveis ao sistema imune do corpo.

Encontrar e destruir

Mas margolis e outros pesquisadores estão cautelosos sobre o que o estudo significa na busca por uma cura para o HIV. Sharon Lewin, um médico especialista em doenças infecciosas da Universidade de Monash em Melbourne, australia, está também estudando o SAHA em pacientes; até agora, 10 ingeriram a droga por duas semanas sem experimentar efeitos colaterais sérios. Mas, ele diz, nenhum estudo demonstrou ainda que a ativação de HIVlatente leva à destruição das células infectadas. 

O estudo de Margolis, diz Lewin, “estudou um número pequeno de pacientes, e apesar de ser um importante passo para mostrar que a droga causou alguma alteração na produção viral, nós ainda não sabemos como isso se traduz em como se livrar de células infectadas latentes”.

Na conferência de Seattle, Liang Shan, um pesquisador da Johns Hopkins University em Baltimore, Maryland, apresentou os resultados de um estudo, publicado no periódico Immunity<a href="http://www.nature.com/news/drug-brings-hiv-out-of-hiding-1.10180#b1&quot; title="Shan, L. et al. Immunity advance online publication http://dx.doi.org/10.1016/j.immuni.2012.01.014 (2012).”>1, no qual as células CD4+ T foram coletadas de pacientes com HIV e tratadas com o SAHA in vitro, As células não morreram, mesmo quando combinadas com as próprias células “assassinas” T, que são especializadas em destruir células infectadas por vírus. Entretanto, quando as células assassinas T foram inicialmente expostas à fragmentos do HIV, elas conseguiram destruir as células infectadas.

Siliciano está também co-liderando um teste de disulfiram (Antabuse), o qual é usado para impedir alcoólicos de beber mas tem sido usado para quebrar a latência do HIV em células.

Entretanto, em um estudo com 14 pacientes, Siliciano e seu time descobriram que o disulfiram não levou nem a um aumento significativo na produção viral nem a uma depleção da reserva de células T latentemente infectadas. A produção do vírus pareceu aumentar ao menos temporariamente em alguns pacientes dentro de algumas horas após a ingestão do disulfiram, mas ainda não está claro se a droga pode realmente ter produzido um efeito tão rápido assim. O grupo examinará essa questão em seis participantes adicionais, diz Adam Spivak, um outro médico infectologista da Universidade de Utah em Salt Lake City, que apresentou os resultados na conferência.

Hires_reduced_m0500418-hiv_viruses_red_-spl

Cura combinada?

Muitos pesquisadores do HIV acreditam que uma combinação de métodos será provavelmente requerida para erradicar o HIV do corpo.

“O que nós podemos precisar é um método de duas etapas no qual uma droga ativa a transcrição viral, e um segundo manda o sinal para o sistema imune sair à caça dessas células,” diz Spivak. 

Margolis concorda que passará algum tempo antes que os pesquisadores da área possam responder questões tais como quais combinações de drogas ativarão mais efetivamente o HIV latente, ou se essas drogas necessitarão ser usadas em conjunto com outras estratégiaspara destruir as células latentemente infectadas, e como as drogas poderiam ser administradas aos pacientes.

Uma variedade de estudos estão examinando métodos para ativação de células latentes e estão procurando por melhores drogas para fazer isso. Margolis requisitou ao US Food and Drug Administration (o famoso FDA) a permissão para administrar aos pacientes múltiplas doses de SAHA a fim de testar se isso poderia dar às células um “empurrão mais forte” para a saída da latência.  

“Existe muito interesse e excitação no campo, mas nós estamos muito no início do caminho,” diz ele.

O artigo original pode se encontrado através do código DOI: 10.1038/nature.2012.10180

Infográfico: Veja o quanto os cigarros são prejudiciais para você — 27/06/2012

Infográfico: Veja o quanto os cigarros são prejudiciais para você

Nursing-your-lungs-main

Com mais de 4800 substâncias tóxicas, dentre elas o cianeto de hidrogênio (aquele das câmaras de gás da segunda guerra mundial), o cigarro figura entre as principais causas do câncer de pulmão, dentre outras doenças.

Acompanhe no infográfico abaixo os dados compilados pelo site OnlineNursingPrograms.

Nursing-your-lungs

Vi a dica no canal do Discovery Channel no facebook.

Molécula do dia: Capsaicina — 15/06/2012

Molécula do dia: Capsaicina

Faz tempo que eu não escrevo um post para essa seção do blog, então hoje eu resolvi tirar a poeira e falar sobre uma molécula interessante e sobre algumas curiosidades acerca dela.

A capsaicina é o principal componente das pimentas, é um composto incolorm inodoro e insípido.

Sua fórmula molecular é (CH3)2CHCH=CH(CH2)4CONHCH2C6H3-4-(OH)-3-(OCH3).

Sua fórmula estrutural plana é 

250px-kapsaicynaImgsrv

A forma espacial do confôrmero estável da capsaicina pode ser representada por:

Img3d

O nome IUPAC é 8-Metil-N-vanillil-trans-6-nonanamida.

Também atende pelos nomes de (E)-N-(4-Hidróxi-3-metóxibenzil)-8-metilnon-6-anamida, trans-8-Metil-N-vanillilnon-6-anamida, (E)-Capsaicin,CPS ou simplesmente C.

A capsaicina é irritante para os mamíferos, incluíndo estes que andam sobre duas patas e se chamam de humanos. 

Ela produz uma sensação de queima nos tecidos com os quais entra em contato. 

Ela é, na verdade, o ápice de uma série de compostos chamados de capsaicinoides e que são metabólitos secundários produzidos por pimentas chilli, provavelmente como defensivos naturais contra certos herbívoros e fungos.

A capsaicina pura é hidrofóbica (odeia água), é incolor, sem odor e tem aspecto cristalino ou até de cera. 

Isso significa que se você comeu um pouco de pimenta ardida não adianta muito tomar água. Você precisa ingerir algo que dilua a capsaicina, como óleo, azeite ou até mesmo leite.

O composto foi extraído pela primeira vez em 1815 por Christian Friedrich Bucholz.

Em 1930 ela foi sintetizada em laboratório por E. Spath e S. F. Darling.

Em 1873, o farmacologista Alemão Rudolf Buchheim, seguido pelo Dr húngaro Endre Hőgyes (1878), descobriram que a sensação de queimação era produzida quandoa substância entrava em contato com as membranas mucosas e aumentava a secreção de suco gástrico. 

Além dos seus óbvios usos culinários (tem louco pra tudo), ela tem aplicações médicas.

Ela é usada em cremes contra dores musculares, neurálgicas, artríticas e dores nas costas. Existem cremes para tratamento da psoríase que usam a capsaicina como componete ativo.

Também é vendida na forma de bandagens para aplicação direta no local dolorido.

Alguns estudos afirmam que, por elevar a temperatura corporal por algum tempo, a capsaicina pode ser usada para regular níveis de açúcar no sangue e, por isso, pode ser usada em tratamentos contra o diabetes e também contra a obesidade.

fonte

 CURIOSIDADE

A escala Scoville

Em 1912, enquanto trabalhava para uma farmacêutica, o farmacologista e químico Wilbur Scoville desenvolveu um método para medir o “grau de calor” das pimentas.

Este teste é chamado de Teste Organoléptico de Scoville ou Procedimento de Diluição e Prova.

330px-pepperswithscovillecentralmarkethoustontx

Um extrato alcoólico do óleo de capsaicina obtido de uma medida de pimenta seca é adicionado incrementalmente a uma solução aquosa de açúcar até que o “calor” provocado pela ingestão dessa solução não seja mais detectado por um grupo de pelo menos cinco provadores humanos (coitados).

O grau de diluição dá uma medida na escala Scoville.

Um simples pimentão possui um valor de zero na escala, pois não possui capsaicina detectável por humanos.

As pimentas chilli, por sua vez, tem um valor na escala que equivale a 200.000 ou mais, indicando que seus extratos precisam ser diluídos 200,000  vezes antes da capsaicina presente se tornar indetectável.

O grande problema nesse método é que ele se baseia em impressões humanas e, portanto, é muito impreciso e subjetivo.

Cada testador (coitado), só pode provar uma amostra por sessão.

A capsaicina quando pura equivale a 15 milhões de unidades Scoville!!!!!! Ou seja, precisa ser diluída 15.000.000 de vezes para poder se tornar indetectável.

Se você beber uma simples xícara de capsaicina pura, terá que tomar 15.000.000 de xicaras de água para não morrer de queimadura, hehehehe.

fonte

Veja uma imagem bem ilustrativa que mostra o poder relativo das pimentas.

Chilitemp

Então tá, fica aí a minha dica “quente” de molécula do dia!

E na próxima vez que você provar uma pimenta um pouco mais ardida e tiver que soltar uma lágrima máscula pelo canto do olho, apenas diga com firmeza:

“Não estou chorando por causa da pimenta, é que estou com saudades da minha terra natal!”

Uma boa sexta-feira a todos!

%d blogueiros gostam disto: