E aí, você já se perguntou porque tem certas marcas de shampoo que ficam apregoando as maravilhas que o pantenol faz pelo seu cabelo?

Eu já, e é por isso que resolvi escrever esse “Molécula do dia” hoje.

Leia mais na continuação do post.

O pantenol, quimicamente conhecido pelo nome de d-pantenol, é um álcool. Ele é um precursor da vitamina B5, conhecida pelo nome de ácido pantotênico.

(d-pantenol, prazer em conhecê-lo)

200 (Vitamina B5)

 

Como aprendemos em nossas aulas de Química Orgânica, a oxidação de um álcool primário leva a um ácido carboxílico. A aplicação do d-pantenol na pele ou nos cabelos faz com que ele seja absorvido e transformado em ácido pantotênico.

Por isso que o d-pantenol é chamado de pró-vitamina B5, porque ele realmente vira a tal vitamina. Além disso, a vitamina B5 está presente em todas as células vivas.

O d-pantenol é um co-fator enzimático importante, sendo um componente importante da Coenzima-A (CoA), a qual participa de reações de metabolismo intermediário de proteínas, carbohidratos e gorduras.

Achei o texto a seguir em um site especializado em cosméticos e beleza.

O ácido pantotênico é um constituinte natural da pele saudável. Sua presença é essencial para o funcionamento satisfatório do tecido epitelial. Pantenol, quando aplicado topicamente, penetra na pele e nas unhas, transformando-se em ácido pantotênico e regenerando as células epiteliais com rapidez. A deficiência do ácido pantotênico na pele conduz à cornificação, despigmentação e descamação. 

 

Pesquisas têm demonstrado que 90% das pessoas vêem o ressecamento como o maior problema da pele. Durante o processo natural de envelhecimento da pele, esta vai perdendo sua capacidade de hidratar-se. Ocorre então a descamação, e a pele torna-se quebradiça e dura.

Pantenol, por sua capacidade de penetrar profundamente na pele e por sua propriedade umectante, atua como umidificante, aliviando o ressecamento causado pelo envehecimento natural da pele.

Pantenol tem sido usado com sucesso por mais de 30 anos no tratamento de lesões de pele das mais variadas origens, desde fissuras nos mamilos até dermatites de contato, passando por dermatites solares.

Aplicado topicamente, Pantenol faz com que o novo epitélio formado seja de grande resistência, devido a uma estrutura mais compacta das camadas da epiderme.

Pessoas expostas a intensa irradiação solar têm como conseqüência eritema, queimaduras, coceira, descamação, que podem resultar em pequenas cicatrizes e pigmentação irregular da pele. Pantenol tem propriedades de proteção contra o eritema e de aceleração do processo de cicatrização.

Pantenol no cabelo…

Pantenol, por ser uma molécula pequena, quando aplicada topicamente, penetra na raiz e no corpo do cabelo.

Pantenol produz um efeito condicionador, tornando o cabelo mais fácil de pentear, e mantendo sua aparência natural.

Bonnet e Florens observaram que um tratamento com Pantenol resulta em:

-Suspensão mais rápida da queda de cabelos;
-Retomada mais rápida do crescimento do cabelo;
-Cabelos mais fortes e espessos.

Pantenol satisfaz as exigências de saúde e beleza dos cabelos (vida, elasticidade, volume, corpo, brilho, maciez, etc), além de controlar os fios rebeldes e facilitar o penteado.

Através da técnica de microscopia eletrônica mediu-se o efeito espessante do Pantenol sobre os cabelos e verificou-se que este espessa o cabelo em até 10% do seu diâmetro normal.

Através da mesma técnica de microscopia eletrônica também foi possível investigar as propriedades reparadoras do Pantenol. Os testes revelaram que a formação de pontas no corpo do fio de cabelo foi eliminada logo após o tratamento com uma solução aquosa de Pantenol.

Cabelos ressecados e danificados por tintura ou permanente não apresentam brilho e são difíceis de pentear. Pantenol penetra na raiz e nos fios de cabelo, formando uma camada elástica por dentro e por fora do fio.

Sendo assim, Pantenol retém ou absorve água do meio, proporcionando ao cabelo um efeito umectante, e recuperando rapidamente o seu brilho e corpo naturais.

Misturado à alantoína em concentrações de 2 a 5%, o d-pantenol pode ser usado para tratamento de queimaduras de pele causadas por exposição excessiva ao sol ou queimaduras leves causadas por outros agentes.

Ele promove a hidratação da pele, reduz as coceiras e inflamações, acelera a regeneração celular e, portanto, auxilia na cicatrização de feridas.

Quimicamente, ele atende por diversos nomes, alguns deles comercialmente registrados.

  

  • N-(3-hidroxipropil)-3,3-dimetil-, (R)-
  • Butiramida, 2,4-dihidroxi-N-(3-hidróxipropil)-3,3-dimetil-, D-(+)-
  • Butanamida, 2,4-dihidroxi-N-(3-hidroxipropil)-3,3-dimetil-, (2R)-
  • D-Pantenol
  • Dexpantenol
  • Dexpantenolum
  • Propanolamina, N-pantoyl-
  • álcool d-Pantotenílico

  • Bepantene (esse eu uso após a troca de fraldas da minha filhota, e é do bom $$$)

 

Apresenta-se como um líquido altamente viscoso e transparente à temperatura ambiente, mas os sais do ácido pantotênico (por exemplo, pantotenato de sódio) são pós de cor branca (geralmente. 

Ele é solúvel em água, álcool e propilenoglicol, também é solúvel em éter e clorofórmio, e ligeiramente solpuvel em glicerina.

Ele é sintetizado em duas formas enantioméricas, D e L. Apenas o enantiômero D é biologicamente ativo, entretanto ambas formas tem propriedades umidificantes. 

Para uso cosmético, o pantenol vem na forma D, ou como uma mistura racêmica das formas D e L (DL-pantenol).

Então era isso, espero que tenham aprendido um pouco sobre essa fantástica molécula. E quando forem lavar seus cabelos com os maravilhosos shampoos tão elogiados pelo fabricante, podem levar a sério, a tal substância funciona. 

Se você usar diariamente, pode ficar igualzinho à moça aí da foto (se você for homem, fuja desse shampoo, hehehehehe).


FONTE: Wikipedia

 

 

 

 

 

 

Anúncios