Diário de um Químico Digital 3.0

Química, TICs e outras treconologias. :)

Molécula(s) do dia: poli(etileno glicol) e poli(óxido de etileno) — 05/07/2016

Molécula(s) do dia: poli(etileno glicol) e poli(óxido de etileno)

O poli(óxido de etileno) ou poli(oxietileno) (sigla: PEO) e o poli(etileno glico) (sigla:PEG) são polímeros sintéticos de grande importância comercial.

Antes de eu falar de detalhes técnicos desses materiais, sugiro que assistam o vídeo abaixo:

Se você quiser saber mais sobre o PEO/PEG, clique no link abaixo…

Continuar lendo

Show pirotécnico com bolas de ping-pong? — 10/12/2013

Show pirotécnico com bolas de ping-pong?

Para quem nunca imaginou que uma simples bolinha de ping-pong fosse tão inflamável, o vídeo abaixo mostra que seus conceitos estavam totalmente equivocados.

Os caras incendeiam uma bolinha isolada para mostra o potencial do artefato.

Depois, eles colocam fogo em uma pilha de bolinhas contidas em um “forno” feito com tijolos empilhados.

Assista ao vídeo e depois comentarei o porquê desse comportamento tão imprevisível.

Acontece que as bolinhas de ping-pong (e as palhetas de guitarra) são normalmente fabricadas com um material chamado celulóide.

A celulóide foi o primeiro plástico (na verdade, termoplástico – que altera suas propriedades de acordo com a temperatura) a ser patenteado lá no distante ano de 1870.

Celulóides são fabricados a partir de nitrocelulose (figura 1), cânfora (figura 2), alguns aditivos e corantes.

800px-Nitrocellulose-2D-skeletal

Figura 1: Nitrocelulose

100px-Camphor_structure

Figura 2: Cânfora

WLW-TheHistoryandPropertiesofCelluloid_12CF1-Design celluloids_thumb

Figura 3: Um provável esquema de formação da celulóide (leia mais aqui)

É facilmente moldável e seu principal uso durante anos foi substituir o marfim, sendo por isso chamado de “marfim francês” ou “Ivorine” (ivory é a palavra inglesa para marfim, assim como ivoire é a versão francesa da palavra).

China_Celluloid_Sheet20088272306256

dados

Figura 4: Artefatos modernos fabricados com celulóide

É altamente inflamável (viu, tá aí a explicação das propriedades fantásticas das bolinhas de ping-pong) e seu uso industrial/comercial diminuiu muito nos dias atuais, sendo ainda utilizado em bolinhas e palhetas (mas acho que divago tocando nesse assunto novamente). 🙂

Antigamente, os filmes fotográficos e cinematográficos eram fabricados com celulóide, por isso era comum estúdios que armazenavam esse tipo de filme incendiarem e todo o acervo ser perdido nesses casos.

A formulação típica da celulóide pode conter de 70 a 80 partes de nitrocellulose, nitrada a 11% de nitrogênio, 30 partes de cânfora, 0 a 14 partes de corante, 1 a 5 partes de  etanol, acrescido de estabilizantes e agentes que aumentam a estabilidade e reduzem a inflamabilidade.

Bom, acho que chega de informações por hoje. Acesse os links contidos no post para saber mais.

Até a próxima, p-p-pe-pe-pesso-a-al! 🙂

(Reação) Mágica do Dia – Isopor + Acetona — 25/09/2013

(Reação) Mágica do Dia – Isopor + Acetona

Primeiro, assistam ao vídeo, depois darei as devidas explicações.

Bom, agora vamos à mágica.

O isopor é, na verdade, o polímero conhecido pelo nome de poli(estireno).

150px-Polystyrene.svg

O poli(estireno) é o mesmo polímero encontrado no corpo das canetas BIC.

220px-Expanded_polystyrene_foam_dunnage602px-Envase_de_yogur800px-4_Bic_Cristal_pens_and_caps

O que o faz ser tão diferente do corpo das canetas? Ora, o estireno é polimerizado em fase gasosa e, justamente por isso, ele expande-se e forma essas lindas bolhas que terminam todas juntinhas e pressionadas umas contra as outras. (de uma forma bem grosseira, é claro)

Ao colocar uma peça de isopor em um solvente como a acetona (propanona, na verdade), os espaços vazios entre as várias bolhas de polímero expandido são desfeitos e o polímero passa ao estado de “solução”. Para o espectador, parece que o isopor está “se desfazendo”, mas é apenas mais um exemplo de dissolução.

Espero que tenham gostado!

Se tiverem mais sugestões de postagem, podem escrever para mim no http://fb.com/digimarcio.

 

(macro)molécula do dia – poli(butadieno) — 14/02/2012

(macro)molécula do dia – poli(butadieno)

Então, ja que estou curtindo umas merecidas férias, vou fazer um post copy+paste para não deixar o meu querido blog às moscas.

Ressucitei a seção molécula do dia com uma macromolécula que tem um valor especial para mim, o poli(butadieno).

Vou fazer uma mescla de dois artigos sobre esse elastômero que eu garimpei na rede.

Segue a cópia descarada dos artigos:

Bolinha

 

As bolinhas que ‘pulam longe’ fazem a diversão de crianças em todo o mundo; conheça um pouco mais sobre elas.

Chamadas em alguns países de superballs, estas estruturas esféricas são produzidas com um material chamado polibutadieno vulcanizado. Este composto foi sintetizado pela primeira vez em 1965, pelo pesquisador Norman Stingley. O que fez dessa bolinha um sucesso no mundo são suas propriedades excepcionais.

As moléculas de polibutadieno são longas cadeias de átomos de carbono, basicamente falando. Essas cadeias funcionam como verdadeiros elásticos, conseguindo recuperar sua forma original quando esticadas ou colocadas sob pressão mecânica. Quando o polibutadieno é aquecido em altas pressões com enxofre, ocorre um processo chamado vulcanização. Este tipo de acontecimento introduz átomos de enxofre entre as ligações de carbono, formando redes extremamente longas.

Neste momento, é como se o enxofre torna-se uma ponte, ligando uma “parede” de carbono a outra. Quando você joga uma dessas bolinhas no chão, sua forma original é distorcida. As pontes de enxofre limitam e dizem quanto uma bola conseguirá pular. Estudos mostraram que 92% da energia que você aplica ao arremessar uma bolinha no chão, continua armazenada na própria bolinha, mesmo após ter atingido o chão. Isso explica o motivo pelo qual pulam tão alto.

 

Após a descoberta deste material inacreditavelmente elástico, Norman Stingley começou a fabricar em tamanhos pequenos e esféricos, em uma empresa chamada Manufacturing Company Wham-O, incentivando as crianças ao redor do mundo a pegarem a bolinha e atirá-la com toda a força possível contra o chão para entenderem que não se tratava de mais uma bolinha qualquer.

No vídeo abaixo você tem uma noção de como essas bolinhas são divertidas, especialmente para as crianças. Que tal jogar milhares delas, todas de uma vez, do alto de uma escada?

A parte técnica sobre o poli(butadieno) está na sequência do post. Siga lendo.

Continuar lendo

%d blogueiros gostam disto: