Diário de um Químico Digital 3.0

Química, TICs e outras treconologias. :)

Glossário de termos de nanotecnologia — 14/06/2013
Nanotecnologia a favor da limpeza — 10/02/2013

Nanotecnologia a favor da limpeza

Antes de eu sair por aí falando qualquer coisa, assista ao vídeo abaixo:

A cobertura Ultra-Ever Dry é uma cobertura superhidrofóbica (avessa à água) e oleofóbica (avessa à gorduras e óleos) que repelirá praticamente qualquer líquido.

Usa uma nanotecnologia prioprietária (não espere que eles revelem o segredo tão cedo) para cobrir qualquer objeto e criar uma barreira na sua superfície.

Essa barreira repela água, óleo e outros líquidos como nenhuma outra proteção que você já tenha visto antes.

De acordo com o MeioBit (que publicou antes de mim porque eles não sofrem de preguiça crônica), pela bagatela de US$ 150,00 você compra os dois ingredientes que, ao serem misturados, permitem produzir material suficiente para cobrir 4 m² de área.

E por “área”, entenda que graças à adesão e resistência à abrasão dessa bruxaria que é o Ultra Ever Dry, é possível cobrir todos os tipos de superfície (ou pelo menos é o que eles querem que a gente acredite).

Mais informações, no site do fabricante.

 

O Super Supercapacitor — 23/12/2012

O Super Supercapacitor

Você não leu o título errado, é isso mesmo, a palavra SUPER está grafada duas vezes!

O vídeo a seguir trata de uma inovação surpreendente no campo da nanotecnologia.

Cientistas da UCLA espalharam óxido de grafite sobre um filme plástico, colocaram no leitor de DVD de um aparelho de som igualmente caseiro e, em menos de um minuto eles obtiveram grafeno.

220px-graphite_oxide

Grafeno, para quem não sabe, é uma “folha” formada apenas por átomos de carbono e é a matéria-prima dos nanotucos de carbono. (Vejam as imagens abaixo.)

Esse aqui é o grafeno:

Graphene

Filho do grafite (obtido do mineral grafita).

Structure-graphite

Nada mais de fornos, de arcos-oltaicos, de plasma e firulas mil para produzir grafeno, certo? Só o tempo dirá, mas o mais legal ainda não chegou.

Eles pegaram esse grafeno produzido de forma tão simples e conectaram um LED ao  filme de grafeno.

O LED não só acendeu como permaneceu aceso por 5 minutos. O grafeno produzido acumulou carga elétrica e agiu como uma fonte de enegia limpa e barata. Eles produziram um super-supercapacitor. 🙂

Se no futuro teremos baterias ecologicamente corretas baseadas nessa tecnologia, não posso dizer, mas que é uma descoberta impressionante, isso é!

Aqui o perfil do doutorando Mahel El-Kady, da Universidade do Cairo.

Semana que vem, escreverei um post tentando explicar como funciona esse supercapacitor.

Ah, aqui tem um outro post meu sobre nanotecnologia.

DIca do Sendentário.

%d blogueiros gostam disto: